terça-feira, 10 de agosto de 2010

Arrisque, desde que não seja um jogo de azar!


Que bom estar com você mais uma vez refletindo sobre suas possibilidades neste dia.Você aí no seu trabalho (que bom que é ter um trabalho!). Que bom é ter o que fazer, não é?

Um filósofo muito antigo, Aristóteles, já dizia: “Felicidade é ter o que fazer”. Tem gente que não consegue ficar parado e sempre acha alguma coisa pra fazer, porque sabe disso e assim encontra a felicidade nas ações.

Quando estamos em ação participamos da história da humanidade, da construção do mundo, do futuro. Quem não atua, além de triste nunca encontra seu papel, sua missão na construção do novo mundo.

E daí nascem as crises que afetam a auto-estima e produz seres opacos que simplesmente são levados pelas ondas para qualquer direção. Para ser alguém na história não existe outra maneira que não seja o fazer. É fazendo, que nos estruturamos como agentes positivos da humanidade.

É agindo que nos tornamos alguém. Não basta orar. A fé move montanhas mas enquanto reza empurre a montanha. Todas as pessoas dispostas ao trabalho estão inseridas no sistema positivo de criação de um novo mundo.

O trabalhador da limpeza, da plantação, da colheita, do torno, da máquina, do transporte, da gerência, da venda, da compra, do hospital, todos estão envolvidos nesta cadeia de trabalho produtiva.

Então, você tem que estar dentro dessa cadeia de alguma forma. Não precisa necessariamente ser profissional remunerado, mas precisa fazer alguma coisa pelos outros.

Ache o que fazer pois quanto mais você faz mais você ganha em felicidade. Felicidade é ter o que fazer. Use a sua energia para fazer bem o bem.