quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

Fale, não represente




Quando uma pessoa expressa seus sentimentos com palavras, em vez de ações, reduz as chances de ser mal interpretada e leva o parceiro a reagir receptivamente. Fechar-se em silêncio, ou pisar duro e bater portas, são atitudes que mostram a existência de um problema e que os parceiros não expressam convenientemente seus sentimentos. Quando uma pessoa se sente magoada, triste ou zangada, seu primeiro impulso pode ser o de expressar seu estado emocional com atitudes, ao invés de usar as palavras. Dramatizar a mágoa, a tristeza ou a raiva pode ser preferível à repressão das emoções, mas os seres humanos têm a capacidade de falar – o que é sempre uma opção melhor.


Quando dizemos “eu me sinto”, dando nome à emoção e explicando o seu motivo, abrimos caminho para a solução do problema... Além disso, colocar os sentimentos em palavras permite expressar a sua intensidade... Expressar sentimentos ruins verbalmente demonstra tanto a coragem da pessoa que fala como a confiança que é depositada naquela que ouve. É preciso ter coragem para mostrar fragilidade, para falar a outra pessoa a respeito de momentos que provocaram mágoa, perturbação ou que representaram um insulto.

Mas, falar não significa “explodir” de raiva... quanto mais emocionalmente intensa for a linguagem, mais intensa será a reação do outro. E quanto mais os dois se inflamarem, mais aumentará a probabilidade de tomarem posições opostas... Por isso, preste atenção às palavras que usa para descrever seus sentimentos negativos e, principalmente, ao modo como fala – esses são os pontos chave para o outro reagir de maneira construtiva.

(texto de Susan Heitler, do livro “A arte do relacionamento”)