quinta-feira, 26 de março de 2009

A amizade



A amizade é um presente sem preço. Ela não pode ser comprada ou vendida, mas seu valor é muito maior do que uma montanha de ouro. O ouro é frio e sem vida, não tem poder para acalentar em momentos difíceis, não tem coração para entender, não pode trazer conforto nem dar uma mão de ajuda. Então, ao pedir um presente a Deus, seja grato se Ele não mandar diamantes e pérolas, mas o amor de amigos reais e verdadeiros.
(por
Brahma Kumaris)

quinta-feira, 19 de março de 2009

Esperamos mais da vida



Acho que sempre esperamos mais da vida. Esperamos mais chances, mais alegrias, mais um amor, mais amigos, mais vitórias, mais sonhos, mais gratidão, consideração e compreensão das pessoas.

Esperamos por mais oportunidades, mais vitórias, mais sucesso, mais fartura, mais saúde, mais carinho, mais atenção, mais justiça. Eu acho que esperamos menos julgamentos, menos derrotas, menos decepções, menos dificuldades, menos tristezas.

Esperamos da vida muitas coisas que nem sempre ela pode nos dar. Que bom seria se pudéssemos traçar a linha da nossa própria vida. Com certeza ela seria reta, com um arco-íris no início, um sol brilhante no meio e um jardim florido no final.

Sempre esperamos mais da vida porque sempre achamos que ela não é justa o suficiente para que consiga nos fazer feliz.

Mas, principalmente, acredito que esperamos mais da vida porque não temos tempo de olhar para o lado e ver que muitas outras vidas estão se despedaçando bem próximas de nós.

Esperamos mais da vida, muitas vezes porque não aprendemos a dar o devido valor a tudo que temos. Talvez se fizéssemos uma lista das coisas boas que existem na nossa vida acabaríamos nos envergonhando de esperar mais dela.

Um arco-íris no início, um sol brilhante no meio, um jardim florido no final é querer demais. Conforme-se com um ou dois desses itens e aprenda a ser feliz por isso.

(texto adaptado - de Silvana Duboc)

quinta-feira, 12 de março de 2009

Paciência!


Ah! Se vendessem paciência nas farmácias e supermercados... Muita gente iria gastar boa parte do salário nessa mercadoria tão rara hoje em dia.
Por muito pouco a madame que parece uma “lady” solta palavrões e berros que lembram as antigas 'trabalhadoras do cais'... E o bem comportado executivo?
O “cavalheiro” se transforma numa “besta selvagem” no trânsito que ele mesmo ajuda a tumultuar...
Os filhos atrapalham, os idosos incomodam, a voz da vizinha é um tormento, o jeito do chefe é demais para sua cabeça, a esposa virou uma chata, o marido uma “mala sem alça”. Aquela velha amiga uma “alça sem mala”, o emprego uma tortura, a escola uma chatice.
O cinema se arrasta, o teatro nem pensar, até o passeio virou novela. Outro dia, vi um jovem reclamando que o banco dele pela internet estava demorando a dar o saldo, eu me lembrei da fila dos bancos e balancei a cabeça, inconformado...
Vi uma moça abrindo um e-mail com um texto maravilhoso e ela deletou sem sequer ler o título, dizendo que era longo demais.
Pobres de nós, meninos e meninas sem paciência, sem tempo para a vida, sem tempo para Deus.
A paciência está em falta no mercado, e pelo jeito, a paciência sintética dos calmantes está cada vez mais em alta.
Pergunte para alguém, que você saiba que é 'ansioso demais' onde ele quer chegar? Qual é a finalidade de sua vida? Surpreenda-se com a falta de metas, com o vago de sua resposta. E você? Onde você quer chegar? Está correndo tanto para quê? Por quem? Seu coração vai agüentar? Se você morrer hoje de infarto agudo do miocárdio o mundo vai parar? A empresa que você trabalha vai acabar? As pessoas que você ama vão parar? Será que você conseguiu ler até aqui?
Respire... Acalme-se...
O mundo está apenas na sua primeira volta e, com certeza, no final do dia vai completar o seu giro ao redor do sol, com ou sem a sua paciência...

NÃO SOMOS SERES HUMANOS PASSANDO POR UMA EXPERIÊNCIA ESPIRITUAL.

SOMOS SERES ESPIRITUAIS PASSANDO POR UMA EXPERIÊNCIA HUMANA.

quarta-feira, 11 de março de 2009

Estilo de Vida!!



Não gosto das coisas por demais acertadas,

apaixono-me pelo defeito oculto e por aquele propositalmente expressado...

Não quero perfeição comprada e nem gestos calculados,

quero espontaneidade, quero corações rachados,

quero gente de carne de osso, que chora e que erra,

quero amigos pobres, quero andar descalço na terra.

Não nasci para ser santo, não exijo devoção...

Eu quero festa improvisada, não quero fingir diversão.

Eu sou cerveja, sou mancha de molho, sou um pouco porco

e quero é mais bebida, quero faltar do serviço, quero fingir que sou doido.

Sair correndo na chuva, eu quero aproveitar a vida,

ser expulso da sala, quero dar risada, quero fazer uma dívida...

Eu que nem sei se caminho certo e nem posso saber,

quero caminhar caminhando, eu que ainda nem sei o que ser.

Eu quero é minha vida vivida, quero que a vida aproveite de mim...

Quero fazer dos meus únicos momentos, momentos enfim...

sexta-feira, 6 de março de 2009

Canção da mulher!!!


Que o outro saiba quando estou com medo, e me tome nos braços sem fazer perguntas demais.

Que o outro note quando preciso de silêncio e não vá embora batendo a porta, mas entenda que não o amarei menos porque estou quieta. Que o outro aceite que me preocupo com ele e não se irrite com minha solicitude, e se ela for excessiva saiba me dizer isso com delicadeza ou bom humor.

Que o outro perceba minha fragilidade e não ria de mim, nem se aproveite disso. Que se eu faço uma bobagem o outro goste um pouco mais de mim, porque também preciso poder fazer tolices tantas vezes. Que se estou apenas cansada o outro não pense logo que estou nervosa, ou doente, ou agressiva, nem diga que reclamo demais. Que o outro sinta quanto me dói a idéia da perda, e ouse ficar comigo um pouco - em lugar de voltar logo à sua vida.

Que se estou numa fase ruim o outro seja meu cúmplice, mas sem fazer alarde nem dizendo ''Olha que estou tendo muita paciência com você!'' Que quando sem querer eu digo uma coisa bem inadequada diante de mais pessoas, o outro não me exponha nem me ridicularize.

Que se eventualmente perco a paciência, perco a graça e perco a compostura, o outro ainda assim me ache linda e me admire. Que o outro não me considere sempre disponível, sempre necessariamente compreensiva, mas me aceite quando não estou podendo ser nada disso. Que, finalmente, o outro entenda que mesmo se às vezes me esforço, não sou, nem devo ser, a mulher-maravilha, mas apenas uma pessoa: vulnerável e forte, incapaz e gloriosa, assustada e audaciosa - uma mulher.

(por Lya Luft, escritora, cronista da revista Veja, é autora de “Perdas e Danos” e vários outros livros)

quinta-feira, 5 de março de 2009

O Beijo \"Beijo\"


Como o nome já o diz não é um simples beijo como o de cumprimento ou de amizade. Falo do beijo “beijo” aquele é dado com a alma, com corpo inteiro. Aquele que faz as pernas tremerem, o coração disparar, a respiração acelerar, você começa a suar, o seu estomago começa a dar voltas, é quase como se você estivesse tendo um ataque ou coisa parecida. E é assim mesmo, quem já deu um beijo “beijo” de verdade, sabe sem medo de parecer ridículo ou exagerado do que estou falando.

O beijo simples já é algo fantástico, é tão poderoso que pode significar desde de um ato de estrema traição até a prova cabal do amor infinito. O poeta já dizia:

“O amor é infinito, mas cabe no breve espaço de um beijo”.

O ser humano tem necessidade de beijar. Na infância tudo que se dá para um bebê ele logo coloca em sua boca. Para a grande maioria dos seres humanos racionais, na minha opinião pessoas de pouca fé, céticos, é um comportamento perfeitamente natural e explicável. É a tal fase oral da infância. Mas para alguém como eu é a prova concreta de que desde cedo treinamos para poder beijar.

Existem várias maneiras de se beijar, com a boca aberta, com a boca fechada, apenas com os lábios, com a ponta do nariz, usando a língua, com os cílios ou como a imaginação permitir. Não entrarei no mérito do que diz respeito aos lugares para se beijar, pois aí extrapolarei até mesmo os limites da imaginação. Se é que existem limites para imaginação.

Como sei que o beijo é algo muito particular e que muda para cada tipo de indivíduo não discutirei o que é um beijo bom ou um beijo ruim. O que tentarei fazer é dar algumas dicas de como é o beijo “beijo” para mim.

Primeiro o motivo: Não existe motivo apenas à vontade.

Segundo o lugar: Independe, pois qualquer lugar é um bom lugar para se demonstrar o quanto se gosta de alguém.

E terceiro a pessoa: Este é um ponto importantíssimo para o sucesso do beijo “beijo”. Deve-se fazer com que a pessoa que esta com você naquele momento sinta-se a pessoa mais importante do mundo. Não importa se você vai ficar com ela o resto de sua vida ou se é apenas um caso passageiro. O importante é que naquele momento, naquele instante ela seja o amor de sua vida a única pessoa na face da terra que realmente importa.

Depois para se dar um beijo “beijo” verdadeiro deve se seguir alguns passos simples.

1° passo: A aproximação.

O beijo “beijo” não começa na boca. Não, seria extremamente comum se isto ocorresse. Ele começa muito antes já no olhar. Você tem que transmitir no olhar todo seu desejo de beijar e de ser beijado.

2° passo: As mãos.

Pegue uma das mãos da pessoa a ser beijada e encoste em seu coração para que ela possa sentir seus batimentos, na outra suavemente passe o nariz e os lábios sobre as costas da mão até encontrar os dedos. Em seguida vire a mão e de um breve beijo no centro da palma da mão.

3° passo: O contato.

Puxe a pessoa para perto e encoste suavemente a ponta do nariz e os lábios na junção do ombro com o pescoço e comece a subir lentamente com um leve toque passando pela orelha seguindo a bochecha até encontrar os lábios e o nariz. Importante, durante o trajeto não deve se beijar, mas apenas deixar que a outra pessoa sinta sua respiração e seu toque.

4° e último passo: O beijo “beijo”.

Nunca vá direto ao beijo em si. Assim como em uma ópera ou grande obra deve existir uma introdução preparando para o que vem a seguir. Comece beijando sem usar a língua apenas com os lábios dando suaves beijos no lábio inferior depois no superior. Só então comece a colocar lentamente a língua. Lembre-se que o beijo “beijo” deve ser dado como um todo, então não esqueça das mãos que podem estar apertando firme a cintura, deslizando suavemente pelas costas ou onde você achar mais apropriado.

Não tenho a arrogância ou pretensão de com isso ensinar ninguém a beijar ou mesmo padronizar um dos mais belos atos de carinho e afeto da humanidade. O beijo “beijo” assim como nós, tem vida própria por isto esta aberto a livres interpretações, melhoramentos ou modificações. Mesmo porque cada beijo é uma experiência ímpar e única e nada se compara a pratica. E a melhor maneira de desenvolvê-lo é praticando então o que estamos esperando.

terça-feira, 3 de março de 2009

A mulher é mestre do Homem





A mulher que sabe amar é mestra do homem. Jamais governanta.
A mulher que sabe amar não irrompe nem interrompe. Chega suave.
A mulher que sabe amar conhece a sua superioridade e os limites desta.
A mulher que sabe amar sabe ser mãe e ser um furor na cama.
A mulher que sabe amar jamais se deixa subjugar. Nem subjuga.
A mulher que sabe amar sabe que não basta ter razão. Precisa saber ter razão.
A mulher que sabe amar é o ser mais elevado que há na terra.
A mulher que sabe amar cala quando sabe não ser compreendida e fala na hora certa.
A mulher que sabe amar jamais diz: eu não falei que não ia dar certo.
A mulher que sabe amar compreende os filhos e sem pretender ensina amor ao marido.
A mulher que sabe amar por ser superior não se preocupa em mandar.
A mulher que sabe amar não sabe obedecer cegamente: ou compartilha ou se separa.
A mulher que sabe amar sabe tanto de moda quanto de arte.
A mulher que sabe amar educa sem reprimir e orienta sem impor.
A mulher que sabe amar fala baixo, não usa perfumes exagerados e ama a alma.
A mulher que sabe amar conversa com Deus e partilha com a família,
A mulher que sabe amar sente sua máxima realização quando amamenta.
A mulher que sabe amar tem orgasmo, é abençoada pela bondade.
A mulher que sabe amar não faz alarde de sua superioridade sobre o homem.
A mulher que sabe amar é a responsável pela sobrevivência da espécie humana.
A mulher que sabe amar jamais ouvirá de seu marido a frase:
Eu não tenho opiniões: tenho esposa....

(por Artur da Távola - outubro/2006)

segunda-feira, 2 de março de 2009

Pedra Bela

Milho de Pipoca

A transformação do milho duro em pipoca macia é símbolo da grande transformação por que devem passar os homens para que eles venham a ser quem devem ser.
O milho da pipoca não é o que deve ser.
Ele dever ser aquilo que acontece depois do estouro.
O milho da pipoca somos nós: duros, quebra-dentes, impróprios para comer.
Pelo poder do fogo podemos, repentinamente, nos transformar em outra coisa.
Mas a transformação só acontece pelo poder do fogo.
Milho de pipoca que não passa pelo fogo continua a ser milho de pipoca para sempre.
Assim acontece com a gente.
As grandes transformações acontecem quando passamos pelo fogo.
Quem não passa pelo fogo fica do mesmo jeito a vida inteira. São pessoas de uma mesmice e uma dureza assombrosas.
Só que elas não percebem.
Acham que o seu jeito de ser é o melhor jeito de ser.
Mas, de repente, vem o fogo.
O fogo é quando a vida nos lança numa situação que nunca imaginamos.
Dor.
Pode ser fogo de fora: perder um amor, perder um filho, o Pai , ficar doente, perder o emprego, ficar pobre.
Pode ser fogo de dentro: pânico, medo, ansiedade, depressão - sofrimentos cujas causas ignoramos.
Há sempre o recurso do remédio.
Apagar o fogo.
Sem fogo o sofrimento diminui.
E com isso a possibilidade da grande transformação.
Imagino que a pobre pipoca, fechada dentro da panela, lá dentro ficando cada vez mais quente, pensa que sua hora chegou: vai morrer.
Dentro de sua casca dura, fechada em si mesmo.
Ela não pode imaginar destino diferente.
Não pode imaginar a transformação que está sendo preparada. A pipoca não imagina aquilo de que ela é capaz.
Aí, sem aviso prévio, pelo poder do fogo a grande transformação acontece: PUM! - e ela aparece como uma outra coisa completamente diferente que ela mesma nunca havia sonhado.
Bom mas ainda temos o piruá que é o milho de pipoca que se recusa estourar.
São aquelas pessoas que, por mais que o fogo esquente se recusam a mudar.
Elas acham que não pode existir coisa mais maravilhosa do que o jeito delas serem.
A sua presunção e o medo são a dura casca de milho que não estoura.
O destino delas é triste.
Ficarão duras a vida inteira.
Não vão se transformar na flor branca e macia.
Não vão dar alegria para ninguém.
Terminado o estouro alegre da pipoca, no fundo da panela ficam os piruás que não servem para nada.
Seu destino é o lixo...
Do livro "O Amor que acende a lua" Editora Papiros